REFLEXÕES

CELEBREMOS A VIDA Por, Dom Rifan

Do dia 1º a 7 de outubro, a Igreja no Brasil celebra a Semana Nacional da Vida, oportunidade para os católicos celebrarem esse grande dom de Deus, através da oração, da escuta da Palavra divina e da solidariedade para com os mais vulneráveis, pobres, menos favorecidos, doentes e, sobretudo, os nascituros. A Semana Nacional da Vida culmina com o Dia do Nascituro, celebrado no dia 8 de outubro.

 O tema “Família, Santuário da V ida” indica como devemos considerar a família, criação de Deus, lugar onde começa a vida, que devemos proteger e defender como grande dom de nosso Pai do Céu. Os filhos são a “bênção do Senhor”. Consequentemente, devemos avaliar o valor incomparável da pessoa humana, objeto de tanto amor de Deus, o grande bem da vida, dom sagrado e inviolável, o respeito pela vida dos outros, especialmente dos mais fracos, entre os quais se encontram, primordialmente, os nascituros, que devem ser objeto especial da nossa proteção por serem frágeis e sem defesa.

Voltamos a insistir: diante da atual banalização da vida e de opiniões favoráveis ao aborto, defendido por inúmeras pessoas influentes, é importante lembrar que a Igreja compreende as situações difíceis que levam mães a abortar, mas, por uma questão de princípios, defende com firmeza a vida do nascituro: “É verdade que, muitas vezes, a opção de abortar reveste para a mãe um caráter dramático e doloroso: a decisão de se desfazer do fruto concebido não é tomada por razões puramente egoístas ou de comodidade, mas porque se quereriam salvaguardar alguns bens importantes como a própria saúde ou um nível de vida digno para os outros membros da família. Às vezes, temem-se para o nascituro condições de existência tais que levam a pensar que seria melhor para ele não nascer. Mas essas e outras razões semelhantes, por mais graves e dramáticas que sejam, nunca podem justificar a supressão deliberada de um ser humano inocente” (S. João Paulo II, Evangelium Vitae n. 58). O fim não justifica os meios.

E, usando da prerrogativa da infalibilidade, o mesmo Papa define: “Com a autoridade que Cristo conferiu a Pedro e aos seus sucessores, em comunhão com os Bispos – que de várias e repetidas formas condenaram o aborto e que… apesar de dispersos pelo mundo, afirmaram unânime consenso sobre esta doutrina – declaro que o aborto direto, isto é, querido como fim ou como meio, constitui sempre uma desordem moral grave, enquanto morte deliberada de um ser humano inocente. Tal doutrina, fundada sobre a lei natural e sobre a Palavra de Deus escrita, é transmitida pela tradição da Igreja e ensinada pelo Magistério ordinário e universal” (EV, 62).

Peçamos aos santos anjos da guarda da família, especialmente das crianças, a São Miguel, São Gabriel e São Rafael, arcanjos, que protejam todas os membros de cada núcleo familiar. As crianças são as mais vulneráveis, corporal e espiritualmente: “Quem causar escândalo (levar ao pecado) a um só destes pequenos que creem em mim, melhor seria que lhe amarrassem ao pescoço uma grande mó e o lançassem ao fundo do mar” (Mt 18, 6).

*Bispo da Administração Apostolica Pessoal São João Maria Vianney

http://domfernandorifan.blogspot.com.br/

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

PALAVRA DO BISPO

Dom Romualdo

Bispo de Porto Nacional (TO)

Agenda Diocesana

outubro 2021

dom seg ter qua qui sex sáb
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

FACEBOOK

Assine a nossa newsletter

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!

Share This