UM MINUTO COM MARIA

Desde criancinha, ela rezava o Rosário!

Margarida Maria gostava de rezar o Rosário desde criancinha, e beijava a terra, a cada Ave Maria. Desde os nove anos, praticava, secretamente, severas mortificações no próprio corpo. Ações que anteciparam a paralisia, que a manteve acamada durante quatro anos. No momento em que prometeu à Virgem Maria, que iria se consagrar à vida religiosa, ficou curada, imediatamente. Como reconhecimento, no dia em que foi crismada, agregou o nome de Maria ao seu nome de batismo.

No dia 25 de maio de 1671, Margarida Maria entrou para o Mosteiro da Visitação de Maria, em Paray-le-Monial (Saône-et-Loire, na França). Apesar da saúde precária, como sempre, seus flagelos eram contínuos, enquanto o Cristo lhe aparecia sucessivamente.

A mais notável dessas aparições foi a que ocorreu em 16 de junho de 1675. Jesus lhe mostrou seu coração, dizendo: “Eis o Coração que tanto amou os homens, e que nunca se poupou, até se esgotar e se consumir para lhes demonstrar o Seu amor”. E como reconhecimento eu só recebo da maior parte dos homens ingratidões, pelas suas irreverências e seus sacrilégios, e pelas friezas e os desprezos que têm para comigo neste sacramento de amor (Eucaristia).

Inspirada pelo Cristo, Margarida Maria estabeleceu a prática da Hora Santa, que consistia em rezar, deitada no chão, o rosto por terra, das 23 horas até meia-noite, na primeira quinta-feira de cada mês, objetivando partilhar a tristeza mortal que Jesus havia suportado, abandonado pelos Seus Apóstolos, durante os tristes momentos de Sua agonia.

As muitas mensagens insistiram num maior amor à Santíssima Eucaristia, à Comunhão reparadora, nas primeiras sextas-feiras do mês e à Hora Santa em reparação da humanidade.

Leão XIII consagrou o mundo ao Sagrado Coração de Jesus e o Papa Pio XII recomendou esta devoção que nos leva ao encontro do Coração Eucarístico de Jesus, estabelecendo a festa do Sagrado Coração de Jesus na sexta-feira seguinte à oitava da solenidade do Corpo e Sangue de Cristo. Santa Margarida Maria Alacoque morreu em 1690 e foi canonizada pelo Papa Bento XV em 1920.

Fonte: Notre Dame des Neiges

 

 

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

PALAVRA DO BISPO

Dom Romualdo

Bispo de Porto Nacional (TO)

Agenda Diocesana

julho 2021

dom seg ter qua qui sex sáb
1
2
  • Presbitera…
3
4
5
6
7
8
9
  • Ordenação …
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

FACEBOOK

Assine a nossa newsletter

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!

Share This