Sem categoria

Papa fala da comunhão nas coisas santas e destaca os sacramentos, os carismas e a caridade

Francisco afirmou que comunhão entre os cristãos cresce mediante a participação nos bens espirituais

Jéssica Marçal: Da Redação

Os sacramentos, os carismas e a caridade. Foi neste trinômio que o Papa Francisco centrou a catequese desta quarta-feira, 6, na Praça São Pedro. Dando continuidade à audiência geral da semana passada, quando falou da comunhão dos santos, Francisco refletiu hoje sobre a comunhão nas coisas santas.

O Santo Padre explicou que a comunhão entre os cristãos cresce mediante a participação nos bens espirituais, considerando-se em particular os sacramentos, os carismas e a caridade.

Com relação aos sacramentos, Francisco lembrou que eles não são aparência, nem ritos, mas sim a força de Cristo. “Quando celebramos a Missa, na Eucaristia há Jesus vivo, propriamente Ele vivo, que nos une, nos faz comunidade, nos faz adorar o Pai”.

E se por lado é a Igreja que “faz” os sacramentos, por outro são os sacramentos que “fazem” a Igreja, conforme explicou o Santo Padre. São os sacramentos que edificam a Igreja, gerando novos filhos ao povo de Deus, e impelem os fiéis a serem missionários.

Outro aspecto da comunhão nas coisas santas é a comunhão nos carismas. O Papa disse que o carisma é um presente dado pelo Espírito Santo, mas não para ficar escondido, e sim para ser partilhado com o outro, sendo utilizado em favor do povo de Deus.

“Os carismas são graças particulares dadas para fazer bem a tantos. São atitudes que nascem na consciência e experiência de determinadas pessoas que são chamadas a colocá-los a serviço de toda a sociedade”

Por fim, Francisco falou da caridade, ressaltando que os carismas são importantes, mas são sempre meios para crescer na caridade e no amor. “Sem o amor, todos os dons não servem à Igreja, porque onde não há o amor há um vazio e um vazio que vem preenchido pelo egoísmo. E pergunto a vocês: se todos somos egoístas, podemos viver em comunidade, em paz?”

O Pontífice destacou que os menores dos gestos de amor têm efeito para muitos. Portanto, viver a unidade na Igreja, a comunhão da caridade significa não buscar os próprios interesses, mas partilhar o sofrimento e a alegria dos irmãos.

“A solidariedade fraterna não é um modo de dizer, mas parte integrante da comunhão entre os cristãos. Se a vivemos, somos no mundo ‘sacramento’ do amor de Deus, somos uns pelos outros e por todos”.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

PALAVRA DO BISPO

Dom Romualdo

Bispo de Porto Nacional (TO)

Agenda Diocesana

maio 2021

dom seg ter qua qui sex sáb
1
  • Diácono Ad…
2
3
4
  • Pastoral d…
5
6
7
8
  • Crisma
9
10
11
  • Compromiss…
12
13
14
15
  • Crisma
16
  • Crisma
17
18
  • Encontro d…
19
20
21
  • Par. Divin…
22
  • Crisma
23
  • Crisma
24
25
26
27
28
29
30
31

FACEBOOK

Assine a nossa newsletter

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!

Share This