UM MINUTO COM MARIA

Sobre uma barca luminosa, a Virgem Maria

Desde o primeiro ano da fundação do mosteiro de Deir Al-Maghti no Baixo Egito, no sétimo século, os monges reunidos, na Igreja, viram uma coluna de luz aflorar no altar, transformando-se numa barca luminosa que transportava a Virgem, anjos, santos (especialmente, os apóstolos e os santos cavaleiros, Teodoro, Jorge e Mercúrio), assim como os inocentes exterminados sob as ordens de Herodes.

Sob o pedido da Virgem, para que os monges associassem o povo a este milagre, uma peregrinação foi organizada. Ela teve a duração de cinco dias, espalhando-se por imensos acampamentos, contando com peregrinos egípcios, etíopes, maronitas, gregos, nestorianos, latinos e até mesmo, muçulmanos. Os fieis adotaram, como costume, lançar seus turbantes e lenços sobre a cúpula da Igreja, no momento da aparição e, muitas vezes, a Virgem tocava um ou outro. Cada um deles podia, além disso, pedir e obter a graça de ver, comprimidos, em torno da Virgem Maria, em meio à multidão, os falecidos parentes ou pessoas que lhes eram próximas, como se estivessem vivos.

As aparições do mosteiro d’Al-Maghti tornaram-se muito conhecidas, também na Etiópia, graças ao Livro dos milagres de Maria, e foram mencionadas no sinaxário etíope, na data de 21 genbot/21 bachnas (29 de maio). Segundo o Livro dos milagres, confirmado pelo geógrafoAl-Maqrîzî (morto em 1441), o mosteiro foi destruído em 1438, durante o ramadam, sob a ordem do sultão mameluco Barsbay al-Malik al-Ashraf Sayf ad-Dan.

Padre René Laurentin

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

PALAVRA DO BISPO

Dom Romualdo

Bispo de Porto Nacional (TO)

Agenda Diocesana

outubro 2021

dom seg ter qua qui sex sáb
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

FACEBOOK

Assine a nossa newsletter

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!

Share This