VATICANO

VATICANO

CNBB

REGIÃO NORTE 3

Uma resposta mariana ao escândalo do pecado

Mais de 700 grupos já estão organizando orações nos Estados Unidos e em 15 outros países, no site oficial do RosaryCoasttoCoast.com. Os ralis nacionais do Rosário aconteceram em 2016 e 2017, seguindo o exemplo da Polônia.

Doug Barry, um dos porta-vozes desses eventos, declarou que o resultado “em todo o mundo é fenomenal”, acrescentando que o evento deste ano “mostra que as pessoas querem agir, fazendo o melhor possível, nesse período que estamos atravessando”.

Tendo em conta as novas revelações na Igreja, Barry acredita que “este ano é absolutamente singular, devido à recente explosão de escândalos na Igreja. Muitas pessoas se perguntam: ‘O que podemos fazer?’ Nós devemos falar. Nós devemos agir. Este terço é uma ação concreta e visível, inteiramente pública. Nossa Senhora disse que o terço tem um poder que os demônios temem. É um poder que pode transformar a Igreja para o melhor”.

“Que melhor maneira de agradecer a Deus pelas bênçãos que Ele derrama sobre nós, a não ser pedindo-lhe a cura dos males que afetam a Igreja, participando do Rosário de um oceano ao outro, dirigindo-nos à sua Santa Mãe, a mais admirável e respeitável inimiga das forças do mal, depois do próprio Jesus Cristo?”, explica o Bispo Robert Morlino de Madison, Wisconsin (Estados Unidos), num vídeo em que apoia o “Rosário de um oceano a outro”.

Por sua parte, no vídeo em que anuncia seu apoio ao projeto, Monsenhor Athanasius Schneider, de Astana, no Cazaquistão, diz: “Como filhos de Maria, queremos segurar a mão de nossa Mãe Celestial, para ficarmos protegidos contra os ataques visíveis e invisíveis dos inimigos de Cristo, e para sermos consolados, nesta época de grande confusão doutrinal e litúrgica, que reina na vida da Igreja”.

 

Joseph Pronechen,
Jornalista do National Catholic Registerem 16 de setembro de 2018

ASSINE NOSSA NEWSLETTER