Sem categoria

Vaticano na ONU: fundamental a contribuição dos líderes religiosos para a Agenda 2030

O observador permanente Dom Bernardito Auza, interveio sobre o tema “Mobilizar as comunidades religiosas a agir com solidariedade e responsabilidade partilhada para dar fim à pobreza e promover a paz”

(ZENIT – Roma, 19 Jul. 2017).- O observador permanente da Santa Sé junto à Organização das Nações Unidas, Dom Bernardito Auza, interveio nesta segunda-feira na sede da Onu, em Nova Iorque, sobre o tema “Mobilizar as comunidades religiosas a agir com solidariedade e responsabilidade partilhada para dar fim à pobreza e promover a paz”.

Mons. Auza indicou que o serviço das comunidades religiosas tem que ser fermento para promover um desenvolvimento sustentável, sem perder as coordenadas humanas fundamentais, contrariamente corremos o grave risco de que os objetivos de desenvolvimento sustentável possam ser considerados somente de modo parcial. Em particular, de privilegiar aspectos econômicos e sociológicos e não seu contexto ético e antropológico.

Na época atual marcada pelo relativismo é também urgente ajudar as pessoas a colher o verdadeiro sentido do bem e do belo, indicou. Assim como corrigidas aquelas ações voltadas a instrumentalizar a religião para fins incompatíveis com sua verdadeira essência. E deve-se impedir o incitamento à violência que pode levar a praticar crimes e  atrocidades.

Precisou que os líderes religiosos não são líderes políticos ou especialistas e por isso não são chamados a medir objetivos e indicadores científicos, mas a dar as razões da esperança, a favorecer o diálogo.

Além disso, devem ajudar as populações a desenvolver seus recursos naturais de modo responsável, a protegê-los de explorações econômicas e de interesses políticos sem esqueçer de proteger a vida para defender os mais fracos e os oprimidos.

O nuncio citou a Carta encíclica Laudato si, do Papa Francisco: “As diretrizes para a solução exigem uma abordagem integral para combater a pobreza, para restituir a dignidade aos excluídos e, ao mesmo tempo, para cuidar da natureza”.

E concluiu indicando que os indicadores mais importantes para o desenvolvimento sustentável não são quantitativos, mas qualitativos, e dizem respeito aos valores éticos. Vale a dizer, valores contrários à cultura do descarte.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

PALAVRA DO BISPO

Dom Romualdo

Bispo de Porto Nacional (TO)

Agenda Diocesana

fevereiro 2021

dom seg ter qua qui sex sáb
1
2
3
4
5
  • Posse - Pe…
6
  • Posse de P…
7
8
  • Norte3
9
10
11
  • Posse - Pe…
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

FACEBOOK

Assine a nossa newsletter

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!

Share This